Bicas Senhora da Hora

  • Capela da Senhora da Hora
  • Capela da Senhora da Hora
  • Capela da Senhora da Hora
  • Fábrica da Efanor
  • Fábrica da Efanor
  • Fábrica da Efanor
  • Capela da Senhora da Hora
  • Fábrica da Efanor
  • Fábrica da Efanor
  • Fábrica da Efanor
  • Fábrica da Efanor
  • Fábrica da Efanor

Descrição

Descrição

Tem a sua história a capela ou ermida, mandada construir no ano de 1514, isto é à 385 anos, nos Montes do Viso, no sítio chamado mãe d’água pelo marítimo Aleixo Francisco, de Matosinhos, o qual a administrou até ao ano de 1544, época em que o pároco de Matosinhos quis tomar a referida administração, o que não conseguiu pela resistência oposta. Assim continuou a ermida a ser administrada por de votos da imagem da Senhora da Hora, até que em 1705 assumiu essa administração Romualdo de Almeida Cabral, Major dos Terços Auxiliares da cidade do Porto e morador na sua Quinta da Foz do Douro, sucedendo-lhe em 1706 Miguel d’Almeida.

RUÍNAS DA ANTIGA FÁBRICA DA EFANOR

A Câmara de Matosinhos recuperou a titularidade dos terrenos e encontrou um uso público para este espaço que tem nas imediações a Porto Business School, a poente, a estação de metro das Sete Bicas, a sul, a antiga igreja paroquial da Senhora da Hora, a nascente, e que integra, para já sem qualquer intervenção, a chaminé e um módulo da antiga fábrica Efanor, que vai ser recuperado numa fase subsequente.

A ruína, marcada pela imponente chaminé, chegou a ser alvo de uma candidatura conjunta a fundos comunitários do município e da Fundação Belmiro de Azevedo, que não teve consequência. Agora este património industrial vai ser reabilitado a expensas do município, que deverá investir mais 500 mil euros nesses trabalhos. “Até agora estávamos convencidos que a responsabilidade de reabilitar era da Sonae, mas percebeu-se, detectado um erro dos serviços, que afinal essa era uma responsabilidade nossa”, explicou o autarca, adiantando contudo que vai ser aproveitado, para o efeito, o projecto já elaborado pela arquitecta Susana Mota Freitas, responsável pelo desenho da nova praça.

Assim, mesmo em mau estado, a memória da Antiga Empresa Fabril do Norte, que dá nome à avenida contígua, é o ponto nevrálgico da nova praça, no qual se concentram não apenas os olhares – há uma trepadeira que teima em dar-lhe um ar de ruína-jardim – mas os semi- círculos que, no terreno, configuram as várias áreas. À entrada, um destes semi-círculos serve de estacionamento para uma centena de veículos, num apoio importante ao movimento de pessoas que utiliza a estação de metro contígua e que poderá ser usado para uma finalidade ocasional: a instalação de equipamentos ambulantes de maior dimensão das festas da Senhora da Hora.

Notícia completa aqui: https://www.publico.pt/local/noticia/perdido-o-projecto-de-serralves-a-senhora-da-hora-ganhou-uma-praca-1723760

HISTÓRIA

Ignora-se quem fossem os seus sucessores, mas presume-se com fundamento que a administração esteve a cargo dos possuidores de bens, que no lugar pertenceram ao citado Romualdo, não havendo porém vestígios para com exactidão se conhecerem os verdadeiros administradores. Em 1 736 foram prestadas contas à Provedoria do Porto, que assim o exigiu, e desde então, até ao ano de 1815, isto é, durante 79 anos, ignora-se completamente como decorreu a administração da capela. Nesse ano eram administradores André Domingues dos Santos, António José dos Santos e Manuel José dos Santos e pretendeu o reitor, que era de Matosinhos, Francisco Luís Pereira, tomar a seu cargo a capela, e como encontrasse oposição por parte dos moradores, mandou arrombar as portas da ermida e tomou conta dos fundos, livros e mais títulos que lá existiam. Os administradores intentaram acção judicial e venceram.Em 1821, por deficiência de documentos da despesa da Irmandade, foi dissolvida a mesa, não tendo feito entrega de livros, dinheiro, etc.. Na capela, no ano de 1836, havia duas imagens de Nossa Senhora da Hora e as imagens de São José e Santo António, com diferentes alfaias e adornos.
Antigamente possuía a capelinha ricos paramentos, os quais foram levados pelo exército francês, recebendo apenas a mesa administrativa um pano de um púlpito e um frontal de altar bordados a ouro, depois de insistentes reclamações.

Desde 1890 têm sido feitas importantes melhoramentos na ermida da Senhora da Hora, pelos indivíduos que a têm administrado. Um desses melhoramentos foi a mudança das Sete Bicas, deliciosa água dos mananciais que ali existem. Era antiquíssima essa obra, não há mesmo vestígios da sua construção. A mudança efectuou-se em 1893, sendo restaurada a fonte…”

Em 14 de Fevereiro de 1892, foi adquirida licença de Sua Eminência o Bispo do Porto para uso do Sacrário na capela, no intuito de poder sair dali o Sagrada Viático (Sacramento da Eucaristia fora da Igreja) aos enfermos, para lhes ministrar a comunhão, assim como às pessoas que quisessem confessar-se ali durante a Quaresma, sendo exigido ao Juiz da Irmandade assinar um termo de responsabilidade na Câmara Eclesiástica, em que se obrigava a mesma instituição a ter na capela uma lâmpada acesa permanentemente e mandar dizer missa pelo menos todos os quinze dias, para renovação do Santíssimo Sacramento (cf. Livro das Actas da Irmandade de Nossa Senhora da Hora e S. Bartolomeu, 1885-1893, p-24).

Em 12 de Janeiro de 1886 foi programado efectuarem-se obras de reparação no corpo da capela, mas por administração directa da Irmandade, por não ser possível calcular o seu cômputo. Optaram para o efeito, o artífice António Joaquim da Rocha, obreiro da sua confiança (cf. Livro das Actas da Irmandade de Nossa Senhora da Hora e S. Bartolomeu, 1885-1893, p.9vº).

Em 18 de Agosto do mesmo ano, as obras de reparação na armação e reconstrução do telhado do corpo principal da Igreja foram autorizadas e já anteriormente o haviam sido para a capela mor, calculada a obra em 79$955 réis mais 15$000, produto da venda da telha velha, de fraca qualidade e já antiga.

Em Novembro, após uma análise mais pormenorizada ao telhado, concluíram que a armação que o iria suportar com telha tipo Marselha, mais leve que a que tinha anteriormente, se encontrava em boas condições de segurança, havendo somente dois barrotes, que assentavam na parede podres e descobertos nos extremos, estando portanto apto o restante embarramento para suportar o telhado.
Em 26 de Setembro de 1897, após a abertura de propostas para reforma do telhado, foi adjudicada em praça a obra, a Joaquim Pereira dos Santos, do Porto, pela quantia de 55$000 réis, com o qual a Irmandade assinou um protocolo1.

Em 27 de Dezembro de 1897, foi aprovado o 1° orçamento suplementar para obras de reparação e mudança dos altares de Nossa Senhora da Piedade e Nossa Senhora da Saúde e sua introdução na parede, para daí resultar um maior espaço na entrada da capela-mor, porque a forma como estava anteriormente colocada, tornava-a acanhada e dificultava bastante o trânsito dos fiéis que vinham visitar a Virgem Nossa Senhora da Hora no dia da sua festividade2. O contrato das referidas obras entre as partes envolventes foi assinado, após serem adjudicadas em praça pela quantia de 30$000 réis.
Em 3 de Julho de 1898, o padre António Dias da Silva Aroso ofereceu-se, para, quase à sua custa, mandar dourar os altares de Nossa Senhora da Saúde e de Nossa Senhora da Piedade, os dois altares existentes na altura, com excepção do da capela-mor. A Mesa da Irmandade aceitou a oferta e achou que era de grande vantagem, por não ter fundos para o fazer e dourados ficavam com outro merecimento e valor, do que pintados de branco, como estavam.

No final do Século XIX, designadamente em 1899, a capela era diariamente visitada por dezenas de devotos e no dia da Romaria de Nossa Senhora da Hora por milhares de pessoas, umas que vinham cumprir promessas de dívida, outras por veraneio, por o local ser muito belo e higiénico, portanto óptimo para a saúde, de salientar que naquela época era muitíssimo arborizado e explorado no âmbito agrícola nas inúmeras quintas e terrenos que nele se enquadravam.

Em 30 de Junho de 1899, há referência que na capela há muito existia o Sagrado Viático, ministrado aos moradores da Senhora da Hora, por a Igreja Matriz no Lugar de Matosinhos se encontrar a 3,5 km de distância deste local, no final do Século XIX, já bastante densa a sua população, que aqui era ouvida missa aos Domingos e Dias Santificados e cumpriam os demais preceitos da Igreja. Em 7 de Janeiro de 1906, foi lavrado um termo de contrato para obras de carpinteiro, tralha e pintura, incluindo teto, telhado e pintura da capela, adjudicada a obra por 470$000.
No início da Segunda Década do Século XX, o edifício foi acrescido de uma torre sineira, tornando-o mais elegante e harmonioso.
Em 21 de Abril de 1911, foi firmado um termo de contrato para obras de construção da dita torre sineira e reparos interiores, adjudicadas as obras por 66$800 réis ao pedreiro e 25$200 ao trolha, após terem ido a praça pública, sendo estas as propostas mais vantajosas, apresentadas por José Ferreira Júnior, mestre pedreiro, morador na Circunvalação e Manuel Sobral, trolha, residente em Requesende, que com a Mesa Administrativa da Irmandade assinaram um protocolo. Em 17 de Setembro de 1921, o capelão José Leite Dias de Pinho, aproveitou a doença e ausência do Juiz da Irmandade de Nossa Senhora da Hora e S. Bartolomeu e enviou um ofício à Mesa, exigindo resposta urgente, a pedir autorização para alterar o camarim de Nossa Senhora da Hora. Em 25 do mesmo mês a resposta foi peremptoriamente negativa. Foram unânimes que seria um crime alterar a talha dourada do altar mor, por ser de grande beleza, de elevado valor real e estimativo. Classificaram a atitude do pároco, ao fazer tal solicitação, de caprichosa e equívoca, justificando somente que a mudança era apenas uma sua simples ambição.

Nela se celebrava missa aos domingos e dias santificados, pelo capelão, contratado pela Mesa da Irmandade de Nossa Senhora da Hora e S. Bartolomeu, se faziam baptizados, casamentos.

O seu frontispício é singelo, elegante, rematado por um frontão triangular, encimada por urna cruz, ladeado de um pináculo. A torre sineira termina com diversos pináculos arredondados.

De uma só nave, uma arcada elevada, separa-a da capela-mor, que se situa em plano superior, o altar-mor de Nossa Senhora da Hora é sumptuoso, imponente, em estilo Barroco, de rica talha dourada, com arcaduras sobrepostas, suportadas por capiteis de colunas salomónicas, profusamente ornamentado com anjos e motivos vegetais que lhe são característicos, designadamente cachos de uva e parras.

A imagem de Nossa Senhora da Hora é de tipo-roca, de reduzido valor escultórico, mas de elevado mérito religioso.

As suas feições são correctas e restante conjunto, harmonioso. O vestido e manto da Mãe, assim como o vestido do Menino Jesus, que tem nos braços, são bordados a ouro e as suas coroas são também deste metal, trocadas pelo ouro das ofertas e fruto das promessas que lhe eram feitas.

A seus pés, na pianha em que assenta, encontram-se dois anjos. No seu lado direito, em lugar de honra, encontra-se S. Bartolomeu, à esquerda São José.

Actualmente, além do altar-mor, existem na capela três altares. A esquerda para quem entra, encontra-se o altar de Nossa Senhora de Fátima, à direita e em primeiro lugar o que pertenceu outrora à capela de S. Bartolomeu, agora do Sagrado Coração de Jesus, a seguir o de Nossa Senhora da Piedade para uns, da Soledade para outros, escultura em redoma, de elevado valor e rara beleza, que no presente é conhecido por altar de Nossa Senhora da Conceição, detentor também da sua imagem.

Funcionou como Igreja Matriz desde 25 de Abril de 1918, data em que foi erecta a Paróquia da Senhora da Hora. Quando o Padre Fernando Rosas foi colocado na Paróquia da Senhora da Hora, veio encontrar a antiga Igreja Matriz em estado muito degradado, pelo que encetou esforços junto das entidades competentes para a sua recuperação, assim como do Parque das Sete Bicas e Igreja nova, obras que tiveram início em 1998 estando no presente já concluídas. O seu financiamento foi feito pela Câmara Municipal de Matosinhos, Paróquia da Senhora da Hora e PIDAC, que contribuiu com 60% do valor total.

 

Contactos

Contactos

Local

Bicas Senhora da Hora
Como chegar

Contactos

Bicas Senhora da Hora
  • By pedro
  • Email: pafmobile@gmail.com
Estou interessado em: Fotografia de ArquitecturaWebDesignFotos aéreasPanoramasMarketing digitalVídeos
Erro ao gravar, tente de novo!
Cancelou a sua subscrição.

Newsletter

Subscreva a newsletter e receba actualizações. 

We use Sendinblue as our marketing platform. By Clicking below to submit this form, you acknowledge that the information you provided will be transferred to Sendinblue for processing in accordance with their terms of use

Pedido de Informação

Preencha o formulário em baixo com as suas questões que responderemos brevemente.

Panorama360

Panorama360 tem como missão colocar os seus clientes no topo, criando maior visibilidade do seu negócio no Google Maps e nas Redes Sociais, aumentando assim os seus clientes e um consequente aumento de lucros.

Somos especialistas em Visitas Virtuais 360º, indexadas ao Google Street View. Fotografia de Arquitectura, vídeos Corporativos, Imagens aéreas e Web design completam o resto dos nossos serviços. 

O nosso objectivo é a vossa visibilidade. 

Panorama360

Panorama360 tem como missão colocar os seus clientes no topo, criando maior visibilidade do seu negócio no Google Maps e nas Redes Sociais, aumentando assim os seus clientes e um consequente aumento de lucros.

Somos especialistas em Visitas Virtuais 360º, indexadas ao Google Street View. Fotografia de Arquitectura, vídeos Corporativos, Imagens aéreas e Web design completam o resto dos nossos serviços. 

O nosso objectivo é a vossa visibilidade.